sábado, 25 de dezembro de 2010

`Abdu'l-Bahá

`Abdu'l-Bahá (1844-1921)

Retrato de `Abdu'l-Bahá.
Retrato de `Abdu'l-Bahá.


Desde a primeira infância,`Abbás Effendi, o filho mais velho de Bahá'u'lláh, compartilhou os sofrimentos e exílios do Seu pai. 

Escolheu para Si próprio o título de `Abdu'l-Bahá, o "servo de Bahá". 

Bahá'u'lláh designou-O como o único intérprete autorizado dos ensinamentos bahá'ís e o dirigente da Fé após o Seu próprio falecimento.

Em`Abdu'l-Bahá podia-se ver um perfeito exemplo do modo de vida bahá'í.
Enquanto `Abdu'l-Bahá era ainda um prisioneiro do governo otomano, os primeiros peregrinos bahá'ís do Ocidente desembarcaram em `Akká, em 1898. 

Após a Sua libertação em 1908, `Abdu'l-Bahá realizou uma série de viagens, as quais, no período de 1911 a 1913, O levaram à Europa e à América do Norte. 

Em todos os lugares por onde passou, Ele proclamou a mensagem de unidade e justiça social de Bahá'u'lláh a congregações religiosas, sociedades pacifistas, membros de sindicatos de trabalhadores, universidades, jornalistas, oficiais do governo e muitas audiências públicas.
`Abdu'l-Bahá faleceu em 1921, tendo consolidado os alicerces da Fé Bahá'í e ampliado grandemente o seu alcance. 

O Santuário do Báb, onde Ele se encontra sepultado, é um lugar de peregrinação para todos os bahá'ís em visita ao Centro Mundial da Fé Bahá'í.


'Abdu'l-Baha with Baha'is in Germany

'Abdu'l-Baha in Paris, 1912

Passmore Edwards Settlement Hall in London, England

'Abdu'l-Baha in Bristol, England, September 1911

'Abdu'l-Baha in London

'Abdu'l-Baha in Paris

'Abdu'l-Baha in Paris with some Baha'is

'Abdu'l-Baha leaves the United States

'Abdu'l-Baha at Green Acre, 1912

'Abdu'l-Baha at Stanford University

'Abdu'l-Baha in Green Acre

'Abdu'l-Baha in Dublin, New Hampshire, August 1912

'Abdu'l-Baha in Green Acre

'Abdu'l-Baha with Sarah Farmer, Green Acre, 1912

October 12, 1912 -- at Berkeley, California

At Stanford Junior University, California 1912

1912 Chicago -- 'Abdu'l-Baha with friends in a park

At Green Acre

At First Unitarian Church in San Francisco

1912 -- in Chicago with His entourage

'Abdu'l-Baha in Stuttgart Germany, 1913

1913 -- Esslingen Germany, 'Abdu'l-Baha with Children

'Abdu'l-Baha with Persian Consul-General in US, 1912

'Abdu'l-Baha in St Paul Minneapolis, 1912

1912 -- 'Abdu'l-Baha with the children of Ali-Kuli Khan and Florence

'Abdu'l-Baha in Chicago, 1912

'Abdu'l-Baha at Green Acre August 16-23, 1912

At Parson's Home; In Cleveland, Ohio; and at a Youth Camp

May 1912: In Chicago and at Temple Site

From: F Parsa <faramarzparsa@comcast.net>
Subject: Abdul-Baha's Photos
To: "F Parsa" <
faramarzparsa@comcast.net>
Date: Tuesday, September 21, 2010, 2:16 AM

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Fé Bahá'í Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


video
A Fé Bahá'í ou bahaísmo é uma religião monoteísta fundada por Bahá'u'lláh, na Pérsia durante o século XIX, que enfatiza a unidade espiritual da humanidade. 

Trata-se de uma religião independente que possui as suas próprias leis, escrituras sagradas, administração e calendário

Mas não possui dogmas, clero, nem sacerdócio. 

Estima-se que existam cinco a seis milhões de Bahá'ís espalhados por mais de 200 países e territórios.
Os ensinamentos Bahá'ís atribuem grande importância ao conceito de unidade das religiões. 

A história religiosa da humanidade é vista como um processo de desenvolvimento gradual, em que surgem diversos Mensageiros Divinos com ensinamentos adequados às necessidades de cada momento e à maturidade de cada povo. 

Esses mensageiros incluem Krishna, Abraão, Buda, Jesus, Maomé e, mais recentemente, O Báb, Bahá'u'lláh

Segundo os ensinamentos Bahá'ís, a humanidade encontra-se num processo de evolução colectiva a caminho de uma civilização mundial, e as suas necessidade actuais centram-se, essencialmente, no estabelecimento gradual da paz, justiça e unidade a uma escala global.

A palavra Bahá'í pode ser usada para referir a Fé Bahá'í ou os seguidores desta religião. Esta palavra deriva do termo árabe "Bahá" (بهاء) que significa glória ou esplendor.
Leia o artigo original completo 


Portal da Fé Bahá’i em Portugal

RTP – “Caminhos” – Programas religiosos

Patrícia Diguê , in revista brasileira ISTO É, 2010-10-29


INFORMAÇÃO

A Toda a Comunidade


Queridos Amigos,

Os programas TV (na RTP2) "A Fé dos Homens" mudaram de horário e passaram a ser emitidos às 18H00.  Portanto os nossos programas "A Terra é um só País" serão transmitos entre as 18:00H e as 18:30H.

Informem, por favor, todos os amigos que não têm email sobre esta alteração.

O próximo programa será emitido no próximo dia 8 (2ª feira) e o tema será "Baha'u'llah", pois estamos próximo da data de nascimento de Baha'u'llah.

Em 20 de Dezembro teremos mais um programa de TV com o Geração Viva! (Informaremos depois o tema).

Lembramos, ainda, que existe na internet um canal no YouTube onde se encontram os programas emitidos na RTP2:
http://www.youtube.com/user/BahaisPortugal
Saudações a todos,

COMUNIDADE BAHA'I DE PORTUGAL
Gabinete de Assuntos Externos, 2010/11/05

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Spanish author discovers "bridge between East and West":

MADRID, Spain, 3 August (BWNS) – When author Rafael Cerrato decided to pay a short visit to the north of Israel in 2006, little did he suspect that it would give rise to a new book.

Passing through the city of Haifa, he was deeply impressed by the buildings and gardens of the Baha'i World Centre, situated on the slopes of Mount Carmel.
"I was amazed," said Mr. Cerrato. "I immediately thought I had to discover what lay behind that beauty."
Returning to Spain, the author – who is Roman Catholic and has written extensively about religion – started looking into the history and teachings of the Baha'i Faith and was fascinated by what he found out.
"I discovered that the long-awaited bridge between East and West – which many politicians and intellectuals have tried to create with the Alliance of Civilizations and such – already exists," he said.
"Without losing any of the principles of previous religions, the Baha'i social teachings have it all – the need for supranational bodies, the equality between men and women, universal education... I believe in these principles and they attract me – so I have no problem in broadcasting them."
During his research, Mr. Cerrato also became impressed by "the great faith and steadfastness" that the Baha'i community of Iran shows in the face of opposition.
He decided to write a book charting the story of the Baha'i Faith, with an emphasis on the severe oppression its members have experienced at the instigation of the authorities in Iran – the land of the Faith's birth – since its inception in the middle of the 19th century.
The book, titled "Desde el corazon de Iran - Los baha'is: La esperanza oprimida" ("From the Heart of Iran - The Baha'is: Oppressed Hope"), has recently been published by Erasmus Ediciones. It is one of the first major works written in Spanish about the genesis and persecution of the Baha'i community in Iran.
Mr. Cerrato's book has been described in one review as a "deftly handled, well-documented and panoramic journey."
The reviewer, Enrique Cordoba – a columnist for "El Nuevo Herald" – wrote, "I celebrate that Cerrato has published this book...for those who want to inform themselves of a doctrine that should be studied."
Miami-based radio journalist Ninoska Perez Castellon wrote that it is "a necessary book... It's a call to the world to ensure that the abuses against the Baha'i community in Iran are not left to fall into obscurity."
"It is because of the integrity of writers like Rafael Cerrato that we can become deeply familiar with a subject that should be on the front page of newspapers," she wrote.
Born in Cordoba in 1951, Mr. Cerrato studied economics in Malaga before devoting his energy to exploring what he describes as the "great truths not recorded in history but that are key to understanding our present."
Religion plays a major role in that understanding.
"I have always thought man is a 'religious animal' – even more than the political animal that many philosophers have defined," said Mr. Cerrato. "Without religion, social phenomena or the evolution of the world cannot be understood."
In his 2005 work, "Letter to Fernando Sanchez Drago", he drew comparisons between the founders of Christianity, Islam and Buddhism. The following year, "Lepanto, the Unfinished Battle" explored the history of the West's relationship with Islam.
"Religion should be a force for good and a unifying element," he said. "But, unfortunately, it is the cause of many problems. The origin of these problems is not religion itself...They are mainly caused by the distortion men make of its content and message."
Mr. Cerrato has lived for 10 years outside of Barcelona, close to the popular pilgrimage destination of Montserrat, from which he derives his own spiritual inspiration.
He is also passionate about traveling and immersing himself in the world's diverse cultures. After carrying out numerous speaking engagements and book signings in Spain, he will be visiting the United States next month to speak about "From the Heart of Iran" at the prestigious "Books and Books" store in Miami, Florida.
"I consider Miami to be the gate to America for the Spanish-speaking culture," he said.
Gilbert Grasselly – a professional translator based in Hollywood, Florida – agrees. "There's a very large Spanish-speaking population here in Miami Dade County. It's an important point for Hispanics."
Mr. Grasselly has been asked to translate "From the Heart of Iran" into English.
"He's calling the public's attention to what's happening," said Mr. Grasselly. "It touched me when I read these histories. It's very moving."
Mr. Cerrato hopes that his book will inform Spanish-speaking readers both about the the situation the Baha'is face in Iran, and the values for which they are prepared to suffer.
"I hope it will open the eyes of leaders, journalists, and intellectuals who read it – if they do – about the plans and actions of the present government in Iran."
"And at the same time, I hope they see that, through the Baha'i Faith, many constructive processes of dialogue can be opened between East and West."

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Non-Interference in Political Affairs (To an individual Baha’i, at 1976)


7 July 1976
Dear Baha’i friend,

The Bahá'í Faith

 - [ Traduzir esta página ]
Baha'i Topics is a service of the Baha'i International Community.
The Universal House of Justice received your letter of 15 May conveying your thoughts on the need for Baha’is to become involved as may be necessary in political affairs and to participate in activities aimed at the eradication of injustice. The sincerity which prompted you to write such a letter and to candidly express your sentiments deeply touched the Universal House of Justice. We have been asked to convey its comments to you.
The Divine Physician's Remedy
 You ask if silence on the part of Baha’is will not allow chaos and human humiliation to be a permanent feature on earth, and state that shunning of politics by the Baha’is can but weaken the freedom fighters of the world. When viewing the conditions of our society we see a world beset by ills and groaning under the burden of suffering. This suffering, Baha’u’llah has Himself testified, is because the "body" of the world, "though created whole and perfect, has been afflicted, through divers causes, with grave ills and maladies," and "its sickness waxed more severe, as it fell under the treatment of unskilled physicians who have spurred on the steed of their worldly desires and have erred grievously." Baha’u’llah's statement in this passage concludes with the assertion that the "sovereign remedy" lies in turning and submitting to the "skilled," the "all- powerful," and "inspired Physician. This, verily, is the truth, and all else naught but error." (WOB, pp. 39-40; GWB, pp. 254-55)
This Divine Physician has assured us in His Writings that God is All-Seeing and All-Knowing and has willed to establish in this Day and among men His everlasting Kingdom. "The whole earth," Baha’u’llah has stated, "is now in a state of pregnancy. The day is approaching when it will have yielded its noblest fruits, when from it will have sprung forth the loftiest trees, the most enchanting blossoms, the most heavenly blessings."( WOB, p. 169) In order to achieve this purpose God sent us the spirit and message of the New Day through two successive Manifestations [Baha’u’llah and the Bab], both of Whom the generality of mankind have rejected, and have, alas, preferred to continue in their own blindness and perversity. Commenting on such a world spectacle, Baha’u’llah wrote: "soon will the present-day order be rolled up, and a new one spread out in its stead." "After a time,"   He further wrote, "all the governments on earth will change. Oppression will envelop the world. And following a universal convulsion, the sun of justice will rise from the horizon of the unseen realm."( Quoted in PDIC P287)
 When we turn to His other Writings to learn more of His warning that this "present-day order" is to be "rolled up," we read statements and predictions such as these: "The time for the destruction of the world and its people hath arrived." "The hour is approaching when the most great convulsion will have appeared." "The promised day is come, the day when tormenting trials will have surged above your heads, and beneath your feet, saying: 'Taste ye what your hands have wrought!'" "Soon shall the blasts of His chastisement beat upon you and the dust of hell enshroud you." "And when the appointed hour is come, there shall suddenly appear that which shall cause the limbs of mankind to quake." "The day is approaching when its [civilization's] flame will devour the cities, when the Tongue of Grandeur will proclaim: 'The Kingdom is God's, the Almighty, the All-Praised!'" "The day is approaching when the wrathful anger of the Almighty will have taken hold of them. He, verily, is the Omnipotent, the All-Subduing, the Most Powerful. He shall cleanse the earth from the defilement of their corruption, and shall give it for an heritage unto such of His servants as are nigh unto Him."( Quoted in PDIC P3)
The Hand of Providence at Work
 From the above it becomes clear that the Hand of Providence is at work, and is engaged in fulfilling God's purpose for mankind in this Age. "God's purpose," Shoghi Effendi assures us, "is none other than to usher in, in ways He alone can bring about, and the full significance of which He alone can fathom, the Great, the Golden Age of a long- divided, a long-afflicted humanity. Its present state, indeed even its immediate future, is dark, distressingly dark. Its distant future, however, is radiant, gloriously radiant -- so radiant that no eye can visualize it."( PDIC P286)
 Let us consider the First World War, which Shoghi Effendi has described in his writings as "the first stage in a titanic convulsion long predicted by Baha’u’llah." (GPB, p. 305) Although it ended outwardly in a Treaty of Peace, 'Abdu'l-Baha remarked: "Peace, Peace, the lips of potentates and peoples unceasingly proclaim, whereas the fire of unquenched hatreds still smoulders in their hearts." And then in 1920, He wrote: "The ills from which the world now suffers will multiply; the gloom which envelops it will deepen." And again: "another war, fiercer than the last, will assuredly break out." (Quoted in WOB, pp. 29-30, 46) After this Second World War broke out in 1939, Shoghi Effendi called it a "tempest, unprecedented in its  332  violence," and the "great and mighty wind of God invading the remotest and fairest regions of the earth." After the termination of this War and the creation of the United Nations, the Guardian wrote in 1948, anticipating "still more violent convulsions" and referred to the "wings of yet another conflict" destined to "darken the international horizon."( PDIC P2; CF, p. 58) And finally in his last Ridvan Message of April 1957, he left for posterity the following analysis of world conditions in the light of the prophecies and predictions recorded in the writings of the Faith:
 Indeed, as we gaze in retrospect beyond the immediate past, and survey, in however cursory a manner, the vicissitudes afflicting an increasingly tormented society, and recall the strains and stresses to which the fabric of a dying Order has been increasingly subjected, we cannot but marvel at the sharp contrast presented, on the one hand, by the accumulated evidences of the orderly unfoldment, and the uninterrupted multiplication of the agencies, of an Administrative Order designed to be the harbinger of a world civilization, and, on the other, by the ominous manifestations of acute political conflict, of social unrest, of racial animosity, of class antagonism, of immorality and of irreligion, proclaiming, in no uncertain terms, the corruption and obsolescence of the institutions of a bankrupt Order.
 Against the background of these afflictive disturbances -- the turmoil and tribulations of a travailing age -- we may well ponder the portentous prophecies uttered well-nigh four score years ago, by the Author of our Faith, as well as the dire predictions made by Him Who is the unerring Interpreter of His teachings, all foreshadowing a universal commotion, of a scope and intensity unparalleled in the annals of mankind.
The violent derangement of the world's equilibrium; the trembling that will seize the limbs of mankind; the radical transformation of human society; the rolling up of the present-day Order; the fundamental changes affecting the structure of government; the weakening of the pillars of religion; the rise of dictatorships; the spread of tyranny; the fall of monarchies; the decline of ecclesiastical institutions; the increase of anarchy and chaos; the extension and consolidation of the Movement of the Left; the fanning into flame of the smouldering fire of racial strife; the development of infernal engines of war; the burning of cities; the contamination of the atmosphere of the earth -- these stand out as the signs and portents that must either herald or accompany the retributive calamity which, as decreed by Him Who is the judge and Redeemer of mankind, must, sooner or later, afflict a society which, for the most part, and for over a century, has turned a deaf  333  ear to the Voice of God's Messenger in this day -- a calamity which must purge the human race of the dross of its age-long corruptions, and weld its component parts into a firmly knit world-embracing Fellowship ... (MBW, pp. 102-03)
Thus we see how the Divine Physician is both the "Judge" of mankind and its "Redeemer." (PDIC P6)
Non-Interference in Political Affairs
This same Physician, addressing His followers, "the beloved of the one true God," wrote: "Forbear ye from concerning yourselves with the affairs of this world and all that pertaineth unto it, or from meddling with the activities of those who are its outward leaders. The one true God, exalted be His glory, hath bestowed the government of the earth upon the kings. To none is given the right to act in any manner that would run counter to the considered views of them who are in authority." (GWB, p. 241)
 In another Tablet He laid on His followers the obligation to "behave towards the government of the country in which they reside with loyalty, honesty and truthfulness." (GPB, p. 219) 'Abdu'l-Baha reaffirmed the same principles. When in America He explained: "The essence of the Baha’i spirit is that, in order to establish a better social order and economic condition, there must be allegiance to the laws and principles of government." And in a Tablet He referred to the "irrefutable command that the Blessed Perfection hath given" in His Tablets, namely, "that the believers must obey the kings with the utmost sincerity and fidelity, and He hath forbidden them [the believers] to interfere at all with political problems. He hath even prohibited the believers from discussing political affairs."( PUP, p. 238; TABA 3:498)
And finally in His last Will and Testament He wrote: "We must obey and be the well-wishers of the government of the land ..." (WT, p. 8)
The Role of Baha’is in Today's World
 We have also been asked to share with you at this juncture the following two extracts from letters written by the Universal House of Justice, and it is hoped these will help you in appreciating the significant and vital role Baha’is can and must play in the world today:
We are told by Shoghi Effendi that two great processes are at work in the world: the great Plan of God, tumultuous in its progress, working  through mankind as a whole, tearing down barriers to world unity and forging humankind into a unified body in the fires of suffering and experience. This process will produce in God's due time, the Lesser Peace, the political unification of the world. Mankind at that time can be likened to a body that is unified but without life. The second process, the task of breathing life into this unified body -- of creating true unity and spirituality culminating in the Most Great Peace -- is that of the Baha’is, who are labouring consciously, with detailed instructions and continuing divine guidance, to erect the fabric of the Kingdom of God on earth, into which they call their fellowmen, thus conferring upon them eternal life.
The working out of God's Major Plan proceeds mysteriously in ways directed by Him alone, but the Minor Plan that He has given us to execute, as our part in His grand design for the redemption of mankind, is clearly delineated. It is to this work that we must devote all our energies, for there is no one else to do it.... (Letter dated 8 December 1967 to an individual. See message no. 55)
 Baha’is are often accused of holding aloof from the "real problems" of their fellowmen. But when we hear this accusation let us not forget that those who make it are usually idealistic materialists to whom material good is the only "real" good, whereas we know that the working of the material world is merely a reflection of spiritual conditions and until the spiritual conditions can be changed there can be no lasting change for the better in material affairs.
 We should also remember that most people have no clear concept of the sort of world they wish to build, nor how to go about building it. Even those who are concerned to improve conditions are therefore reduced to combating every apparent evil that takes their attention. Willingness to fight against evils, whether in the form of conditions or embodied in evil men, has thus become for most people the touchstone by which they judge a person's moral worth. Baha’is, on the other hand, know the goal they are working towards and know what they must do, step by step, to attain it. Their whole energy is directed towards the building of the good, a good which has such a positive strength that in the face of it the multitude of evils -- which are in essence negative -- will fade away and be no more. To enter into the quixotic tournament of demolishing one by one the evils in the world is, to a Baha’i, a vain waste of time and effort. His whole life is directed towards proclaiming the Message of Baha’u’llah, reviving the spiritual life of his fellowmen, uniting them in a divinely-created World Order, and then, as the Order grows in strength and influence, he will see the power of that Message transforming the whole human society and progressively solving the problems and removing the injustices which have so long bedevilled the world. (Letter dated 19 November 1974 to the National Spiritual Assembly of the Baha’is of Italy. See message 19 Nov. 1974 to NSA of Italy)
You have asked whether it is possible to have a World Federation when not all countries have attained their independence. The answer is in the negative. Both 'Abdu'l- Baha and Shoghi Effendi likened the emergence of the American Republic and the unification of the "diversified and loosely related elements" of its "divided" community into one national entity, to the unity of the world and the incorporation of its federated units into "one coherent system." (WOB, p. 165) Just as the American Constitution does not allow one state to be more autonomous than another, so must the nations of the world enjoy equal status in any form of World Federation. Indeed one of the "candles" of unity anticipated by 'Abdu'l-Baha is "unity in freedom." (WOB, p. 165)
 Yet another question is whether it is morally right to remain silent when equality is being abused. The beloved Guardian has given us the following guidelines in letters written on his behalf. "Much as the friends must guard against in any way ever seeming to identify themselves or the Cause with any political parry, they must also guard against the other extreme of never taking part with other progressive groups, in conferences or committees designed to promote some activity in entire accord with our teachings -- such as, for instance, better race relations." (Shoghi Effendi, letter dated 21 November 1948 to an individual)
The Universal House of Justice hopes that you and your Baha’i co-workers in that land will steep yourselves in the teachings of Baha’u’llah, endeavour to follow in your personal lives the noble standards set by Him, attract the multitudes to the radiance of His glorious Faith, and enable them to warm their hearts and ignite their souls with the flames of that undying Fire which "blazeth and rageth in the world of creation." (Baha’u’llah, in BP, p. 53, or PM, p. 76)
 We have been asked by the Universal House of Justice to assure you of its prayers on your behalf in the Holy Shrines.
With loving Baha'i greetings,
Department of the Secretariat
                (The Universal House of Justice, Messages 1963 to 1986, p. 334)


The Bahá'í Faith - The international website of the Bahá'ís of the ...

 

 

 

sábado, 17 de julho de 2010

PROVAÇÕES E MORTE, SEGUNDO O PONTO DE VISTA BAHÁ’I

PROVAÇÕES E MORTE, SEGUNDO O PONTO DE VISTA  BAHÁ’I
Por Deolinda Pereira; Ribeira Brava, 2010/07/18
1. Consolo pela morte de um jovem
Ó vós duas almas pacientes! Vossa missiva foi recebida. A morte daquele amado jovem e sua separação de vós causaram a máxima dor e pesar; pois ele, na flor da idade , alçou voo rumo ao ninho celestial. 
No entanto, ele libertou-se deste abrigo repleto de sofrimentos e volveu a face em direcção ao ninho eterno do Reino, e, livrando-se de um mundo escuro e exíguo, apressou-se na direcção do domínio santificado da luz; nisso reside o consolo de nossos corações.
A inescrutável sabedoria divina está por traz desses acontecimentos que partem o coração. É como se um jardineiro bondoso transferisse um arbusto viçoso e tenro de um local confinado para uma área muito espaçosa. 
Tal transferência não fez o arbusto murchar nem se atrofiar ou perecer; ao contrário, tal mudança fará com que cresça e se desenvolva, que adquira frescura e delicadeza, que obtenha  dê frutos. O jardineiro bem sabe deste segredo oculto, mas as almas inconscientes destas graças supõem que ele, possuído de ira e cólera, tenha cortado o arbusto. 
Não obstante, para aqueles que são cientes este fato oculto está manifesto, e tal decreto predestinado é por eles tido como uma graça. Portanto, não vos sintais consternados ou desconsolados pela ascensão deste pássaro da fidelidade; não, antes, sob todas as circunstancias orai por esse jovem, suplicando por ele perdão, e pela exaltação de sua posição.
Espero que venhais a atingir suprema paciência, serenidade e resignação, e suplico e imploro, no Limiar da Unidade, rogando humildemente perdão e clemência. A esperança que nutro das infinitas dádivas de Deus é que Ele abrigue esse pombo do jardim da fé e o faça habitar sobre os ramos da Assembleia Suprema, a fim de que gorjeie com a mais dulcíssima das melodias o louvor e a glorificação do Senhor dos Nomes e Atributos.
(Abdu’l-Bahá, em Selecção dos Escritos de Abdu’l-Bahá, p.181, nº 169.)

2. A perda de um filho…
Ó serva amada de Deus! Embora a perda de um filho seja verdadeiramente de partir o coração e transcenda os limites do que o ser humano pode suportar, ainda assim, a pessoa dotada de conhecimento e compreensão tem a convicção de que o filho não foi perdido, mas ao contrário, passou deste mundo a outro, e ela há-de encontrá-lo no reino divino. Essa reunião será por toda a eternidade, enquanto aqui neste mundo a separação é inevitável e traz consigo uma dor pungente.
Louvado seja Deus por teres fé, estares com a face volvida ao Reino sempiterno e creres na existência de um mundo celestial. Portanto, não fiques desconsolada ou abatida; não suspires, não lamentes nem chores; pois a perturbação e o luto afectam-lhe profundamente a alma no domínio divino.
Esse amado filho, do mundo oculto assim se dirige a ti: Ó Mãe bondosa, rende graças à Providencia divina por eu haver sido libertado de uma pequena e sombria gaiola e, tal qual as aves dos prados, haver alçado vôo ao mundo divino – um mundo espaçoso, iluminado perenemente feliz e jubiloso. Por isso, não lamentes, ó Mãe, nem te consternes; não sou dos perdidos, nem fui esquecido ou destruído. Livrei-me da forma mortal e hasteei meu estandarte neste mundo espiritual. A essa separação seguir-se-á eterna comunhão. Tu me encontrarás no céu do Senhor, imerso num oceano de luz.
(Item, p.182, nº 171)

Parecer da Procuradoria Geral da República - Ministério da Justiça

"A Constituição da República Portuguesa consagra a liberdade de consciência ..... Por sua morte, nomeou em testamento, o seu filho Abdul'l-Bahá intérprete e ...
www.dgsi.pt/.../d7bf5d064bd721608025661700421141?...
- Em cache

La Fe Bahá'í

La Fe Bahá'í es la más joven de las religiones independientes del mundo. Su fundador, Bahá'u'lláh (1817-1892), es considerado por los bahá'ís como el más ...
info.bahai.org/spanish/
- Em cache - Semelhante

A Fé Bahá'í

A Fé Bahá'í é a mais jovem das religiõs mundiais independentes. O seu fundador, Bahá'u'lláh (1817-1892), é considerado pelos bahá'ís como o mais recente na ...
info.bahai.org/portuguese/
- Em cache - Semelhante

The Bahá'í Faith - The international website of the Bahá'ís of the ...

The official presence of the Baha'i Faith on the Web. A body of authentic material presented by the Baha'i International Community.
www.bahai.org/ -
Em cache - Semelhante

sexta-feira, 2 de julho de 2010

A VIDA DO BÁB




Ribeira Brava, 2010-07-02;por Deolinda Pereira; Bibliografia principal: “Manifestantes Gémeos”, Instituto Ruhi, Livro, 1987”


O Báb, para aqueles que nunca ouviram falar, é uma das três Figuras Centrais da Fé Bahá’i que significa “a Porta”, a porta para o conhecimento de Deus e para uma nova era na existência humana.
Antes do aparecimento da Manifestação de Deus, existe alguém que vem antes para preparar a Sua chegada. Assim, alguns anos antes de Bahá’u’lláh proclamar a Sua Missão, Deus enviou um Mensageiro especial para anunciar a Sua chegada. Este grande Mensageiro foi intitulado “O Báb”.
Durante seis anos Ele ensinou incessantemente que o aparecimento do novo Manifestante de Deus – O Qá’im – Aquele que se Levantará, O Prometido de Deus – estava próximo e preparou o caminho para a Sua vinda. Ele ensinou as pessoas a purificarem os seus corações para que pudessem reconhecer O Prometido quando Ele viesse.
Milhares e milhares de pessoas aceitaram a Mensagem do Báb e começaram a seguir  os Seus ensinamentos. Mas o governo do Irão e o poderoso clero que governava as massas levantaram-se contra Ele. Os Seus seguidores foram perseguidos e uma grande quantidade foi morta. O próprio Báb, aos 31 anos foi martirizado por 750 soldados. Por ordem do governo, eles prenderam – No numa praça e, com suas espingardas, atiraram contra Ele.
Após Seu martírio, o corpo do Báb foi atirado fora dos portões da cidade. Os Seus seguidores recuperaram Seus restos mortais e levaram – No de um lugar para outro, escondendo – O sempre dos inimigos da Fé. Finalmente, eles transferiram – No para o Monte Carmelo, na Terra Santa.
Parte 2
Segue-se, em termos cronológicos e de forma muito breve, alguns eventos da Sua vida num trajecto de Suas viagens e desterros, de acordo com o mapa em anexo.
De Bushihr o Báb, após Sua revelação a Mullá Hussain, parte em peregrinação para Meca e Medina, cidades santas para o Islão, sendo em Medina que repousam os restos mortais do Profeta Maomé. Em Meca, o Báb anunciou, por escrito, Sua Missão ao Governador. De Medina partiu de novo para Bushihr, na Pérsia.
De Shiraz chega ordem de prisão emitida pelo Governador, por a nova Mensagem do Báb estar a ser ensinada com grande fervor. E quando o Báb foi levado à sua presença, ele O tratou com crueldade vergonhosa. O ódio deste governador era tal que sua intenção era mesmo executar o Báb. Mas na noite em que o Báb foi preso surgiu uma epidemia em Shiraz. Todos entraram em pânico e em poucas horas morreram muitas pessoas. Um oficial de polícia, cujo filho foi milagrosamente curado pelo Báb, reconheceu a Mão de Deus no surto desta epidemia e implorou ao governador que libertasse o Báb. Este, temendo pela vida da sua família e dos habitantes da cidade, aceitou esta proposta com a condição de que o Báb saísse de Shiraz.
A 24 de Outubro de 1846, o Báb partiu para Isfáhan, a norte de Shiraz. Aqui o governador deixou-se cativar e sensibilizar por Ele e acolheu – O de forma calorosa e generosa. (Ver os dois primeiros parágrafos da Secção 5, p.32). 
De Teerão, o Rei ordenou ao governador de Isfáhan que enviasse o Báb disfarçado, onde pretendia encontrá - Lo.  Mas o Primeiro-ministro da Pérsia daquela época era um homem egoísta e incompetente. E, temendo perder a sua posição e poder, convenceu o Rei a mudar as suas ordens e a enviar o Báb para a província do Azerbaijão, para Máh -  Kú, situado nas montanhas do Azerbaijão que fica numa remota e inóspita extremidade do país. Isto para que a Sua influencia e a Sua Fé fosse esquecida. Mas ao contrário disso, o Báb conquistou a admiração do povo e espalhou Sua Fé por todo o país.       ( Ver último parágrafo da Secção 6, p. 34)
O Báb foi de novo transferido. Desta vez para a fortaleza de Chiriq. Mas também ali o povo foi conquistado. Até mesmo os sacerdotes mais distintos da região aceitaram a nova Fé e abandonaram as suas posições de privilégio para se juntarem aos Seus seguidores.
Assim que o Primeiro-ministro soube da Sua crescente popularidade em Chiriq, deu ordens para que O enviasse imediatamente para Tabriz. Ali, o governo convocou uma reunião com as autoridades para interrogar o Báb e encontrar uma maneira mais eficaz de pôr fim à Sua influência. Nessa reunião tentaram humilhá – Lo, mas foram dominados pela Sua majestade e grandeza. Quando Lhe perguntaram, “Quem reivindicais ser, e qual é a mensagem que trazeis?” Ele declarou:
“ Eu Sou, Eu Sou, Eu Sou o Prometido! Sou Aquele cujo nome há mil anos invocais, a cuja menção vos tendes levantado, cujo advento tendes ardentemente desejado presenciar, e a hora de cuja Revelação tendes suplicado a Deus que apressasse. Verdadeiramente, digo, incumbe aos povos, tanto do Oriente como do Ocidente, obedecer à Minha Palavra e jurar lealdade à Minha pessoa.”
Foi em Tabriz, no ano de 1850, que o novo Primeiro-ministro da Pérsia, tão sanguinário quanto o anterior ordenou a execução do Báb. Confinaram – No numa cela junto ao pátio que seria o cenário do Seu martírio.
Quando O conduziam para a cela, um jovem abriu caminho através da multidão e atirou-se aos pés do Báb. Não me afastes de Ti ó Mestre. Onde quer que Tu vás, permite que eu Te siga. “Levanta-te, respondeu o Báb, “e tem confiança que estarás Comigo. Amanhã tu testemunharás o que Deus decretou.” O jovem foi imediatamente preso, juntamente com outros dois companheiros, na mesma cela em que estavam confinados o Báb e o Seu secretário. Este jovem tornou-se conhecido como Anís.
Anís tinha ouvido a nova Mensagem quando o Báb estava em Tabriz e decidiu segui -Lo até Chiriq. Tão forte era o fogo do amor de Deus que ardia no coração de Anís que o seu único desejo era sacrificar-se pela nova Fé. Mas o seu padrasto, alarmado com o comportamento estranho do seu enteado, obrigou Anís a ficar em casa e manteve-o sob rigorosa vigilância. Ali, Anís passou semanas em oração e meditação, implorando a Deus que lhe permitisse alcançar a presença de Seu Amado. Um dia, quando estava emerso em oração, teve uma visão extraordinária. Ele viu o Báb à sua frente chamando-o Anís atirou-se aos Seus pés. – “Regozija-te,” disse-lhe o Báb, “aproxima-se a hora em que, nesta mesma cidade, serei suspenso diante dos olhos da multidão, e cairei vítima do fogo do inimigo. A ninguém escolherei senão a ti para partilhar Comigo a taça do martírio. Tem a certeza que esta promessa que te dou será cumprida.” E assim, Anís começou a esperar pacientemente, sabendo que rapidamente chegaria o dia em que se reuniria com seu Amado. Agora, por fim, tinha atingido o desejo do seu coração.
Naquela noite, o Báb ardente de júbilo. Falou com alegria a Anís e aos outros três companheiros leais confinados com Ele na cela. “Amanhã” disse-lhes, “será o dia do Meu martírio.” Oxalá pudesse um de vós agora levantar-se e, com as próprias mãos, pôr fim à Minha vida. Prefiro ser chacinado pela mão de um amigo, do que pela mão do inimigo.” Nenhum deles se atreveu sequer a pensar em por fim a esta preciosa vida, e permaneceram em silêncio, com lágrimas correndo pelos olhos. Subitamente, Anís lançou-se aos Seus pés, anunciando que estava pronto para obedecer a qualquer coisa que o Báb ordenasse. “Esse mesmo jovem que se levantou para aceder à Minha vontade,” declarou o Báb,” sofrerá juntamente Comigo o martírio. Será ele quem escolherei para partilhar essa coroa.”
Ao inicio da manhã seguinte, 9 de Julho de 1850, o Báb estava a trabalhar com Seu secretário quando, de repente, um guarda interrompeu a Sua conversa. “Antes de Eu lhe dizer todas aquelas coisas que desejo dizer, Disse o Báb ao guarda, “nenhum poder terreno haverá de Me silenciar. Mesmo que o mundo inteiro se arme contra Mim, porém serão impotentes para Me impedir de cumprir, até à última palavra, a Minha intenção.” Mas o guarda não entendeu o significado das palavras do Báb. Não respondeu nada e instruiu o Seu secretário para que o seguisse. O Báb foi levado da Sua cela para a casa do sacerdote mais proeminente da cidade de Tabriz que, sem hesitação, assinou o decreto da Sua execução.
Mais tarde, nessa manhã, o Báb foi levado de volta ao pátio onde uma multidão de aproximadamente dez mil pessoas se tinha reunido para testemunhar a Sua execução. Ele foi entregue à custódia de Sám Khán, o comandante de um regimento de soldados incumbido de O executar. Mas Sám Khán estava afectado pelo comportamento do Báb, e temia que a sua execução provocasse a ira de Deus contra ele. “Eu professo a Fé Cristã,” explicou ele ao Báb, “e nenhum desejo maligno alimento contra Vós. Se a Vossa Causa for a Causa da Verdade, livrai-me da obrigação de derramar o Vosso sangue.” “Segui as vossas instruções,” respondeu o Báb, “e se a vossa intenção for sincera, o Omnipotente poderá certamente aliviar-vos da vossa dificuldade.”
Sám Khán ordenou aos seus homens que colocassem um prego no muro e nele amarrassem duas cordas; nessas cordas o Báb e Anís foram suspensos. Depois, o regimento colocou-se em três fileiras, cada uma com 250 homens. Uma fileira após outra, abriram fogo, Quando o fumo das 750 espingardas se dissipou, a multidão atónita contemplou uma cena que os seus olhos mal podiam acreditar. Anís estava de pé diante deles, vivo e ileso, e o Báb desaparecera da sua vista. As balas apenas tinham cortado as cordas com que eles tinham sido suspensos. Começou então uma frenética busca pelo Báb. Por fim encontraram – No sentado na Sua cela, completando a conversa, que fora interrompida, com o Seu secretário. “Terminei a Minha conversa” disse o Báb. “Agora podeis proceder ao cumprimento da vossa intenção.”
Abalado com o que tinha ocorrido, Sám Khán recusou-se a permitir que os seus homens disparassem de novo e ordenou-lhes que abandonassem o pátio. Trouxeram, então, outro regimento para proceder à execução. Uma vez mais o Báb e Anís foram suspensos no pátio e os soldados abriram fogo. Desta vez as balas acertaram no alvo. Os corpos do Báb e de Anís ficaram cravados de balas e horrivelmente mutilados; mas as suas faces permaneceram quase intactas. Quando o regimento se preparava para disparar, o Báb dirigiu estas últimas palavras à multidão que O fitava:
“Tivésseis vós acreditado em Mim, ó perversa geração! Cada um de vós teria seguido o exemplo deste jovem que, em grau, é superior à maioria de vós, e de bom grado ter-se-iam sacrificado no Meu caminho. O dia virá em que vós Me tereis reconhecido; nesse dia, Eu terei deixado de estar convosco.”
Sobre este Santo Ser, ‘Abdu’l-Bahá disse:
“A base da crença do povo de Bahá – oxalá lhe seja oferecida em holocausto a Minha vida! – é esta: “Sua Santidade, o Excelso (O Báb) é a Manifestação da Unidade Divina e o Precursor da Beleza Antiga (Bahá’u’lláh). Sua Santidade, a Beleza de Abhá (Bahá’u’lláh) – oxalá a minha vida seja oferecida em holocausto pelos Seus amigos leais! – É o Supremo Manifestante de Deus e a Aurora da Sua mais divina Essência. Todos os outros são Seus servos e cumpridores da Sua Vontade.”
Sobre este Santo Ser o Guardião escreveu:
“O Báb, aclamado por Bahá’u’lláh como a ‘Essência das Essências’, o Mar dos Mares’, o ‘Ponto em Cujo redor se revolvem as realidades dos Profetas e Mensageiros,’ ‘de Quem Deus fez proceder o conhecimento de tudo o que havia e que haverá,’ Cujo ‘grau excede o de todos os Profetas,’e Cuja Revelação transcende a percepção e a compreensão de todos os seus eleitos’ havia entregue a Sua Mensagem e cumprido Sua Missão. Aquele que, nas palavras de Abdu’l-Bahá,’ era o Amanhecer da Verdade’ e o ‘Arauto da mais Grandiosa Luz’, ‘Cujo advento assinalou, ao mesmo tempo, o fim do ‘Ciclo Profético’ e o inicio do ‘ciclo do Cumprimento,’ havia simultaneamente, através da Sua Revelação, banido as sombras da noite que envolviam o Seu país e proclamado a iminente aparição d’Aquele Astro Incomparável, Cujo esplendor haveria de abranger a humanidade inteira,”
Sobre este santo Ser o próprio Bahá’u’lláh explica:
“O facto de haver tão pequeno intervalo entre esta maravilhosa e poderosíssima Revelação e a Minha Manifestação anterior é um segredo que homem algum pode descobrir, um mistério que mente alguma é incapaz de penetrar.”
Sobre este Santo Ser, o Guardião diz-nos:
“As Suas qualidades eram de uma nobreza e beleza tão raras, A Sua personalidade tão meiga e, não obstante, tão dinâmica, e ao Seu encanto natural aliava-se tanto tacto e discernimento que, logo após Sua declaração, Ele se tornaria uma figura de grande popularidade por toda a Pérsia. Conquistava a simpatia de quase todos com quem tinha contacto pessoal, muitas vezes convertendo os Seus carcereiros à Sua Fé e transformando os malévolos em amigos cheios de admiração.”
Referindo-se ao Báb, Abdu’l-Bahá disse:
“Quanto ao Báb – possa eu oferecer – Lhe a minha alma em holocausto – quando era ainda muito jovem, isto é, no vigésimo quinto ano da Sua vida abençoada, levantou – Se para proclamar a Sua Causa em oposição aos persas, célebres pelo seu fanatismo religioso. Esse espírito ilustre levantou – Se com tal poder, que fez tremerem os esteios da religião, da moral, dos hábitos, dos costumes e condições predominantes na Pérsia, e instituiu novas normas e leis, e uma nova fé….O governo, os teólogos, as altas personalidades e o povo em geral, desejaram extinguir a Sua luz, mas não o puderam fazer. Brilhou, afinal, como uma estrela; ergueu-se tal e qual uma lua; estabeleceram-se firmemente os Seus alicerces, e a Sua alvorada raiou. A uma multidão submersa nas trevas Ele deu a educação divina, produzindo maravilhosos efeitos no pensamento, na moral, nos costumes e condições dos persas. Aos que O seguiam, anunciou a boa nova – a manifestação do Sol de Bahá – e preparou-os para que n’Ele acreditassem.”
Parte 3
Terminamos esta apresentação com palavras de EÇA DE QUEIROZ (escritor português), sobre O Báb:  “Calado, invadido pelo pensamento do Báb” – o Arauto da Revelação bahá’i – “revolvia comigo o confuso desejo de me aventurar nessa campanha espiritual… Porque não? Tinha mocidade, tinha o entusiasmo… Via-me discípulo do Báb… E partia logo a pregar, a espalhar o verbo babista. Onde iria? A Portugal, certamente, levando de preferência a salvação às almas que me eram mais caras.”     (Queiroz, Eça. A Correspondência de Fradique Mendes)

Seguir com a recitação da Epístola de Visitação de Bahá’u’lláh